CLÉU ARAÚJO
Crônicas Contos Aforismos Fatos Invenções

Cléo

cleo-araujo

Criei o site brisarosa em 2004.

Nele, publicava crônicas que retratavam a vida como eu a via, até porque não haveria outra forma de fazê-lo. A vida de uma mulher de vinte e poucos anos, vivendo, trabalhando, dançando, dirigindo, cozinhando, se apaixonando e se revoltando em e por São Paulo.

Escrever sempre foi uma coisa que me definiu, tanto individual quanto profissionalmente. Me definiu, me curou, me ajudou e me explicou. Embora fale muito, é escrevendo que organizo e edito pensamentos, lembro e redecoro momentos do passado, compreendo e interpreto o mundo.

Hoje sou sócia em uma agência de publicidade e escrevo quando o trabalho me permite. Ou quando algo que vivi, trabalhei, dirigi, cozinhei, dancei ou pelo qual ou por quem me apaixonei me inspira.

Recentemente descobri que também gosto de escrever roteiros. Foi só um, mas gosto de acreditar que quando se trata de sentar à frente de um teclado e inventar, nunca é tarde, nunca é à toa.

Sou uma saudosista, em todos os sentidos. Até por isso, não transformei meu site em vlog ou qualquer coisa do tipo. Adoro os existentes, mas acredito que ainda há, como eu, aqueles estranhos que procuram algo para ler na Internet de vez em quando, embora os blogs que eu lia quase já nem existam mais. E eram tantos! Bebia em fontes como 02 Neurônio (do trio Jô Hallack, Nina Lemos e Raq Afonso), Viaje na Viagem (do Roberto Freire), Blônicas (do meu sempre chefe e amigo Nelson Botter e também de Tati Bernardi (na ativa!), Antônio Prata, Xico Sá, Henrique Szklo (saudade do Opera Bufa!), Lusa Silvestre, Carlos Castelo, Leo Jaime e tantos outros), do Marcelo Katsuki e do meu querido Flávio Kubagawa, que de ídolo virou amigo e por quem eu tenho mais que admiração, tenho carinho mesmo, como se fôssemos amigos desde pequenininhos.

Sou do tempo do Motorolla Startac, da Varig e do MSN.  Mas tenho amigas e amigos de 17 a 70 anos que, curiosamente muitas vezes pensam, sentem e se comunicam quase que da mesma maneira.

Para quem me lia e me lê, meu obrigada.

Estou aberta a convites. Tanto para roteiros quanto para textos de provas do Ensino Médio.

Me dê algo sobre o que escrever e me faça feliz.