CLÉU ARAÚJO
Crônicas Contos Aforismos Fatos Invenções

Dia dos namorados

por: Cléo Araújo

15 JUN

2005

A semana começou no domingo, dia 12 de junho. Lembra do dia? Sim, foi o dia dos namorados. Ah, o dia dos namorados.

Coraçõezinhos desenhados nas vitrines, lançamento do CD novo do Kenny G, ursinhos de pelúcia (tchutchuquíssimos!) passam a povoar os shopping centers, cenas de casais se abraçando na praia e rodopiando ao sabor do vento se impregnam na sua mente. E aí, eu concluo: o dia dos namorados é definitivamente o dia mais cafona do calendário mundial. Seja ele em junho, seja ele em fevereiro, é sempre um dia meio brega. Você pode perguntar: mas por quê, sua doida, por que toda essa fúria?

Quer saber mesmo o porquê dessa afirmação que, num primeiro momento, pode soar revoltada, despeitada, coisa de solteira? Não, não é fúria, eu não sou doida e não é falta de romantismo minha. Eu explico. Afinal das contas, não sou nenhuma monstra sem coração e também tenho lá os meus momentos de cafonice. Embora eles não incluam o Kenny G.

Acho jantar a luz de velas o máximo. Aliás, acho velas o máximo, não precisa nem ter jantar. Adoro vinho, acho incrível que ainda existam homens preocupados em comprar flores para suas namoradas/esposas e adoro ganhar beijos e carinhos. Às vezes dá até pra encarar uma falinha melosa, um apelidinho infame, tipo bujuju ou quequinho. Mas no dia 12 de junho isso tudo fica brega. Não sei, é um bode meu, se instala no momento em que as coisas se cruzam. Os bujujus e as músicas melosas com o dia 12 de junho.

A cafonice mora no simples fato de haver um dia especial para que todos, até os trogloditas mais desprovidos de atitudes românticas espontâneas do planeta, assumam o seu lado Richard Gere, a sua faceta Meg Ryan e façam coisas que nunca fariam em outro dia do ano.

Mas é exagero. Eu sei. Essa implicância toda com essa data, com esses casais, que fazem fila na porta de restaurante no dia 12 (e ainda num domingão? Mesmo?) é coisa de gente chata. E eu sou chata. Assumo. E eu sempre vou estar no meu inferno astral na semana do dia 12 de junho. Chata e meia. Mas é coisa minha.

Não se sinta ofendido caso você tenha comemorado o seu dia dos namorados com uma caixa de chocolate em formato de coração e um ursinho de pelúcia branco. É um direito seu. O meu é achar tudo isso muito, muito brega. E não, eu não tenho inveja de nenhuma nem de nenhum bujuju apaixonado. Mas eu sou romântica, e às vezes eu até ouço, por exemplo, algo como “Total Eclipse of the heart”. Acredite, sempre que surge uma oportunidade, eu sou romântica sim. E isso pode acontecer em qualquer um dos outros 364 dias do ano.

Deixe seu Comentário

Aviso: A moderação de comentários está habilitada e pode atrasar seu comentário. Não há necessidade de reenviar seu comentário.