CLÉU ARAÚJO
Crônicas Contos Aforismos Fatos Invenções

Orquídeas e sinais

por: Cléo Araújo

01 MAR

2005

Eu poderia ter visto a orquídea que tinha brotado no vaso da minha janela durante todo o dia. Mas foi à noite, naquela hora certa, em que eu iria para cama me sentindo impotente diante da vida, que ela me chamou. Foi como se, em qualquer lugar do mundo em que eu estivesse, olhando por qualquer que fosse a janela, aquela orquídea nova me chamaria para vê-la.

Não, ainda não fiquei louca, não converso com plantas e nem espero delas as respostas para as minhas perguntas. Só senti ali um… sinal. Eu sei, esse lance de sinal dá preguiça, até porque eu também não acredito neles. Mas quando eles caem, assim, no nosso colo, quase que pedindo para ser um sinal, não há como negá-los.

A orquídea não tinha pretensão nenhuma de me passar sinais. Ela era, em si mesma, um sinal. Ela estava ali, no vaso, toda sem flor, por dias e dias. Confundiram-na até com um bambu, uma vez. Mas ela nem se ofendeu. Perguntaram para mim: “será que ainda dá flor?” E eu, péssima entendedora de flores que sou, pensei “acho que não, vai ficar assim pra sempre, com essa cara de bambu.” Mas brotou. Do nada. Absolutamente do nada. Uma florzinha branca e rosa. Enterrou de vez a fama de bambu.

Numa retrospectiva, pensei: qual foi a minha participação direta pra que isso acontecesse? Só fiz colocar água nela (na verdade, na maioria das vezes, não fui nem eu quem pus, foi alguém que colocou pra mim, ou foi simplesmente a chuva, que caiu) e ela brotou. Sem que fosse necessário, para isso, que eu assumisse o controle completo da situação no sentido botânico do fenômeno que se apresentava à minha frente.

“Impressionante”, pensei. E não é que algumas coisas não precisam mesmo do meu esforço pessoal, ou da impressão da minha vontade ou da minha decisão para acontecer à minha volta? Fechei a janela, toda feliz, um tanto menos onipotente do que de costume e toda cheia da minha orquídea.

Desde então, venho fazendo um esforço para ouvir os seus conselhos. Para entender para onde apontam as flores.

Deixe seu Comentário

Aviso: A moderação de comentários está habilitada e pode atrasar seu comentário. Não há necessidade de reenviar seu comentário.